VULNERABILIDADE DO CONHECIMENTO TRADICIONAL VERSUS INTERESSES DE MERCADO: PERCEPÇÕES REGISTRADAS EM COMUNIDADES NO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA - PARÁ

Eduardo da Silva Santos, Sérgio Cardoso de Moraes, Leonardo Silveira Santos, Wagner L. Ramos Barbosa

Resumo


O estudo em questão aborda a relação comercial existente entre uma comunidade tradicional ribeirinha e o mercado financeiro, representado por empresas ligadas a biotecnologia, procurando de uma certa forma, apresentar o modo desproporcional do lucro, ou seja, a total inexistência da equidade nesta equação. Em consequência, essa relação desequilibrada entre os atores, acarreta uma baixíssima condição às comunidades tradicionais na inserção de forma competitiva no mercado e, assim, atingirem uma melhor condição financeira e qualidade de vida.

 PALAVRAS-CHAVE:Conhecimentotradicional, Mercado, Vulnerabilidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. A arte é alegre? In: RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton; ZUIN, Antônio Álvaro Soares; PUCCI, Bruno (Orgs.). Teoria crítica, estética educação. Campinas: Unimep, 2001.

BALÉE, W. Biodiversidade e os Índios Amazônicos. In: Amazônia, Etnologia e História Indígena. (E.V Castro & M.C. Cunha org.) NHII /FAPESP. p. 383-393, 1994.

BERKES, F. Traditional ecological knowledge in perspective. In: Traditional Ecological Knowledge: Concepts and Cases, J. T. Inglis (ed.). Ottawa: International Program on Traditional Ecological Knowledge and International Development Research Centre. p 1- 9, 1993.

BERKES, F.; HENLEY, T. Threat or opportunity? Policy Options. 1997.

BRASIL. Decreto No 6.040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Brasília, 2007.

CHAVES, Maria P. S. R. Uma experiência de pesquisa - ação para gestão comunitária de tecnologias apropriadas na Amazônia: o estudo de caso do assentamento de Reforma Agrária Iporá. Tese (Doutorado em Política Científica e Tecnológica) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. 2001.

DIEGUES, A. C. Repensando e recriando as formas de apropriação comum dos espaços e recursos naturais. In: VIEIRA, P. F.; WEBER, J. (orgs.) Gestão de recursos naturais renováveis e desenvolvimento. São Paulo, Cortez Editora, 1996.

DIEGUES, Antônio Carlos (Org.). Os Saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil. São Paulo: Núcleo de Pesquisas sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras da Universidade de São Paulo (NUPAUB – USP); Brasília: Coordenadoria da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (COBIO-MMA) 2000.

FRAXE, T. de J. P.; PEREIRA, H. dos S.; WITKOSKI, A. C. (Org.). Comunidades ribeirinhas amazônicas: modos de vida e uso dos recursos naturais. Manaus: EDUA, 2007.

IBGE – INSTITUO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Informações sobre os municípios brasileiros. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 01 fev. 2020.

JOHNSON, M. Lore: Capturing Traditional Environmental Knowledge. In: Dene Cultural Insitute and the International Development Research Centre. Ottawa, 1992.

MORAES, Dirce A. Foletto de Prova: instrumento avaliativo a serviço do ensino e da aprendizagem. Est. Aval. Educ., São Paulo, v.22, n.49, p.233-258, 2011.

MORIN-LABATUT, G.; AKATAR, S. Traditional Knowledge: a resource to manage and share. Development, v. 4, p. 24-30, 1992.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O Índio e o Mundo dos Brancos. 4.ª ed., 198 p., Campinas: Unicamp, 1996.

PAES LOUREIRO, João de Jesus. Obras Reunidas. São Paulo: Escrituras, 2001.

PEREIRA, H. M.; FERRIER, S.; WALTERS, M.; GELLER, G. N.; JONGMAN, R. H. G.; SCHOLES, R. J. et al. Essential biodiversity variables. Science, v. 339, p. 277–278, 2013.

POSEY, D. A. Indigenous Knowledge and Development: an ideological bridge to the future. Ciência & Cultura, v. 35, n. 7, p. 877-894, 1983.

POSEY, D. A. Etnoecology as applied anthropology in Amazonian development. Hum. Organ. v. 43, n. 2, p. 95-107, 1984.

RAHMAN, Ataur. Development of an Integrated Traditional and Scientific Knowledge Base: A Mechanism for Accessing, Benefit-Sharing and Documenting Traditional Knowledge for Sustainable Socio-Economic Development and Poverty Alleviation. UNCTAD Expert Meeting on Systems and National Experiences for Protecting Traditional Knowledge, Innovations and Practicies. Genebra, 2000.

TOLEDO, Víctor M.; BARREIRA-BASSOLS, Narciso. A Memória Biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

WAGLEY, Charles. Uma Comunidade Amazônica: estudo do Homem nos Trópicos. 3ª ed. São Paulo: EDUSP 1988.

WATTS, M. J.; BOHLE, H.G. The space of vulnerability: the causal structure of hunger and famine. Progress in Human Geography, Londres, v. 17, n. 1, 1993.

WAVEY, Robert. International workshop on indigenous knowledge and community-based resource management: Keynote address. In: Traditional Ecological Knowledge: Concepts and Cases, J. T. Inglis (ed.). Ottawa: International Program on Traditional Ecological Knowledge and International Development Research Centre. 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN online 2595-9239