IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DE GRANDES PROJETOS E ORGANIZAÇÕES COMUNITÁRIAS NA AMAZÔNIA: CONFLITO COMO FORÇA MOTRIZ!

André Luís Assunção de Farias, Gessivaldo de Jesus da Silva Ferreira, Marcus Robert Ferreira Freitas

Resumo


Este artigo discute o aumento dos conflitos socioambientais e injustiças    sociais que afetam o modo de vida de populações ribeirinhas, pescadores artesanais, agricultores rurais e outras, consideradas minorias vulneráveis em decorrência da implantação de grandes projetos na Amazônia, mais precisamente a possível implantação do terminal portuário de uso privado TUP de Abaetetuba da empresa norte americana Cargill em Urubuéua- Abaetetuba. Trata-se de uma análise dos impactos indiretos, uma vez que o porto ainda não foi implantado. O objetivo geral é compreender como os impactos socioambientais latentes da implantação do porto da Cargill se relacionam com as organizações sociais da comunidade da Ilha do Capim. Foram realizadas pesquisas de base documental, bibliográfica, entrevistas semiestruturadas e observação direta. Os resultados apontam que os impactos socioambientais provocados pelo processo de instalação do Porto da Cargill trazem prejuízos aos moradores, prejudicando atividades tradicionais, como a pesca, interferindo diretamente na vida cotidiana da comunidade, por sua vez gerando um processo dialético com a criação de novos processos e espaços organizativos e resistência política.


Palavras-chave


Conflitos socioambientais; Grandes projetos; Organizações sociais

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. 2017. O lugar e as possibilidades da política: sentidos da cartografia social. In: GAIOSO, A. V; MARTINS, C. C; NOVAES, J. S. de; NUNES, P. M. P. (Orgs.). Rio de Janeiro/São Luiz: Casa 8. (Coleção Aulas Inaugurais; 4).

ALVES, Stevam Gabriel; SANTOS, Solange Laurentino dos. Injustiças e conflitos socioambientais: o que são e como surgem? R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 216-226, jul./set. 2017.216 doi: 10.19177/rgsa.v6e22017216-226.

AMBIENTARE, Relatório de Impacto Ambiental Terminal Portuário de Uso Privado Abaetetuba, Cargill Agrícola. Outubro de 2017. Disponível em: https://www.semas.pa.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/RIMA_TUP_Abaetetuba.pdf. Acesso em: jun. 2019.

ANDRADE, R.A. Organização Social na Amazônia: Uma experiência de associativismo na RDS Rio Madeira (Novo Aripuanã e Manicoré/AM). Brasília: Instituto Internacional de Educação do Brasil (IIEB). 2011.

AYRES, R.U. Sustainability economics: Where do we stand? Ecological Economics, v. 67, n. 2, p. 281-310, 2008.

AZEVEDO, Hueliton Pereira. Transição agroecológica: reflexões a partir de agroecossistemas de camponeses agroextrativistas na Amazônia numa perspectiva política. Dissertação (mestrado). Universidade Federal do Pará, Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Amazônia Oriental, Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas, Belém, 2018.

BASTOS, Nelson Ramos. Territórios em resistência no mundo social da várzea: a cartografia social dos ribeirinhos e quilombolas da Ilha Xingu Abaetetuba/PA. (Dissertação). Cidades, Territórios e Identidades – PPGCITI. Abaetetuba, 2016.

BATALHA, M. O.; SILVA, A. L. Gerenciamento de Sistemas Agroindustriais: Definições e correntes mercadológicas. Gestão agroindustrial, v. 2, p. 28-34, 2001.

BIALOSKORSKI NETO, S. Agribusiness cooperativo: Economia, doutrina, e estratégias de gestão. Piracicaba: ESALQ/USP, 1994.

BLAU, P. M.; SCOTT, S. R. Organizações formais: uma abordagem comparativa 1. ed. São Paulo: Atlas, 1970.

BOURDIEU, Pierre. Espace social et espace symbolique. In: Raison Pratique. Paris: Éditions du Seuil, 1994.

CARVALHO, Guilherme. Grandes Projetos de infraestrutura, conflitos e violação de direitos na Pan-Amazônia. Belém: NAEA, 2012. p.01-18.

CUNHA, Sandra Baptista; GUERRA, Antônio José Teixeira. Avaliação e Perícia Ambiental. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, Ltda, 2012.

GEHLEN, I; MOCELIN, D. G. Organização social e movimentos sociais rurais. Editora da UFRGS, 2. ed. rev. e ampl. 124 p. 2018.

GEHLEN, Ivaldo. Território, cidadania, identidades e desenvolvimento local sustentável. Publicado In Riella, Alberto (org.) Glabolización, desarrollo y territórios menos favorecidos. Montevidéu: Universidad de La República, 2006. p. 265 – 283.

GODOY, Arilda S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, Mar./Abr. 1995a, p. 57-63.

______________Pesquisa qualitativa.-tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, Mai./Jun. 1995b, p. 20- 29. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rae/v35n3/a04v35n3.pdf. Acesso em 3 mar. 2019.

HERCULANO, S. Lá como cá: conflito, injustiças e racismo ambiental, 2006. Disponível em: http://sinop.unemat.br/site_antigo/prof/foto_p_downloads/fot_8304injustiya_e_bacismo_a mbiental_pdf. Acesso em: 06 jun. 2019.

INSTITUTO EVANDRO CHAGAS – IEC. Estudo comparativo de cádmio em sangue e cabelo de populações expostas ambientalmente em áreas industriais na Amazônia, Brasil, KARYTTA SOUSA NAKA, 2018.

LÖWY, Michael. Crise Ecológica, Crise Capitalista, Crise De Civilização: a alternativa ecossocialista. Caderno CRH, Salvador, v. 26, 67, p. 79-86, jan./abr. 2013.

LOZANO, R. Towards better embedding sustainability into companies’ systems: an analysis of voluntary corporate initiatives. Journal of Cleaner Production, v. 25, p.14-26, 2012.

MARTINS, José de S. Os camponeses e a política no Brasil. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1990.

MELUCCI, Alberto. Movimentos Sociais, Renovação Cultural e o Papel do Conhecimento. In: Lua Nova. São Paulo: Cedec, 1997.

PORTO, Carlos Walter Gonçalves. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

SÁNCHEZ, Luis E. Avaliação de impacto ambiental: Conceitos e métodos. 2 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. 583p.

VILHENA, J do R; FONSECA, J. A. Etnoconservação Dos Recursos Naturais E A Pesca Artesanal Na Comunidade São Pedro Na Ilha Do Capim No Município De Abaetetuba - Pará. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE, 2., 2018. Anais... Congestas, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN online 2595-9239