GEOHISTÓRIA NA AMAZÔNIA BRASILEIRA: UMA REFLEXÃO SOBRE AS TRANSFORMAÇÕES TERRITORIAIS NA FRONTEIRA DO SUDESTE PARAENSE

Mateus Monteiro Lobato, Aluísio Fernandes Silva Júnior

Resumo


Este artigo é um esforço intelectual para compreender uma parte das transformações territoriais ocorridas na fronteira amazônica, especificamente o Sudeste Paraense. Tendo em vista esse enfoque, buscamos lançar um olhar sobre a trajetória histórica da fronteira tentando capturar os principais desdobramentos na malha territorial. A premissa teórica subjacente a análise é de que as determinações gerais da reprodução do capital incidentes ao longo do tempo animaram os sujeitos sociais a impingir mudanças territoriais. Logo, as principais atividades econômicas desenvolvidas no Sudeste Paraense: caucho, castanha, madeireira, pecuária e mineração, são responsáveis por instrumentalizar os sujeitos sociais que atuam no território. O recorte temporal foi estipulado a partir da primeira atividade relevante conduzida no Sudeste Paraense até os dias atuais. E a representação cartográfica procurou capturar os momentos chaves de cada uma dessas atividades econômicas.


Palavras-chave


Geohistória; Território; Transformações Territoriais

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. de A. Construindo uma geografia do passado: Rio de Janeiro, cidade portuária, século XVII. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 4, n. 1, p. 13-25, 2000. DOI: 10.11606/issn.2179-0892.geousp.2000.123400. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/123400. Acesso em: 15 fev. 2021.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2001, 159 p.

DROULERS, Martine. Brésil: une géohistoire. Paris: Press Universitaire de France, 2001, 306 p.

EMMI, M. F. A oligarquia do Tocantins e o Domínio dos castanhais. 2. ed. Belém: UFPA/NAEA, 1999, 204 p.

LIMA, Ivaldo Gonçalves de. Fragmentação política e territorial em Carajás. Rio de Janeiro, 1993. 328 f. Dissertação (mestrado em geografia) – Pos-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1993.

LOBATO, Mateus Monteiro. Migração na fronteira: pelos caminhos do migrante até Marabá-Pa. 139 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento), Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

LOBATO, Mateus Monteiro. Capital, território e monopólio no El Dorado de Carajás: uma análise da fronteira do Sudeste Paraense. 234f. Teste (Doutorado em Geografia), Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2018.

LOBATO, Mateus Monteiro; SOARES, Daniel Araújo Sombra. Fronteira na geografia: proposições para uma reflexão. Boletim Amazônico de Geografia, Belém, v. 2, n. 3, p. 175-193, 2015.

LOBATO, Mateus Monteiro; SOARES, Daniel Araújo Sombra. Fronteira na ciência geográfica: um conceito e dois contextos. In: SILVA, Christian Nunes da; LIMA, Ricardo Ângelo Pereira de; SILVA, João Márcio Palheta da. (Org.). Territórios, ordenamentos e representações na Amazônia. Belém: GAPTA/UFPA, 2017, p. 35-58.

PALHETA DA SILVA, João Márcio. Poder, governo e território em Carajás. Presidente Prudente, 2004. 214 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Programa de Pós-Graduação em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP, Presidente Prudente, 2004.

ROCHA, Gilberto de Miranda. A dinâmica territorial da malha político-administrativa municipal da região norte do Brasil (1988-2010). Novos Cadernos NAEA. v. 16, n. 1, pp. 211-228. jan./jun. 2013. Disponível em: . Acessado em: 25 set 2014.

SAYAD, Abdelmalek. A migração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998, 304 p.

TAVARES, Maria Goretti da Costa. A formação territorial do espaço paraense: dos fortes à criação dos municípios. Revista ACTA Geográfica, ano II, n. 3, jan./jun. 2008, p. 59-83.

VELHO, Octávio Guilherme. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Rio de Janeiro: Zahar, 1980, 178 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN online 2595-9239