AGÊNCIAS REGULADORAS ATUANDO NO SANEAMENTO BÁSICO - A REGULAÇÃO DO SANEAMENTO NO MUNICÍPIO DE BELÉM

Evelyn Thais Abreu de Souza, Norbert Fenzl, Maria do Socorro Almeida Flores

Resumo


Um dos serviços públicos essenciais à sadia qualidade de vida é saneamento básico, devendo ser garantido e assegurado pelo Estado à sociedade em geral, prestado de forma a atender a toda a população. O Poder Público por meio de suas instituições, tem a responsabilidade de implementar políticas públicas para o saneamento básico. Esta pesquisa se realiza no marco dos 10 anos da aprovação da Política Nacional de Saneamento Básico no Brasil de 2007, parte por considerar as mudanças que o setor do saneamento requer, dentre elas a delegação deste serviço a terceiros, entidades não integrantes da Administração Pública, na forma de contrato de concessão, considerada uma medida importante para a eficiência do serviço prestado. Nesse contexto, dentre as diretrizes instituídas pela Lei Federal nº 11.445/2007, encontram-se a institucionalização das Agências Reguladoras, responsáveis pela regulação, fiscalização e do controle do serviço concedido. A presente pesquisa pauta brevemente a história das ações de saneamento em Belém, identifica os pontos mais relevantes da atuação das entidades gestoras e suas atribuições na efetivação do direito ao saneamento, apontando a real função da Agência Reguladora em cumprimento aos princípios e objetivos da regulação.


Palavras-chave


Agências Reguladoras; Saneamento Básico

Texto completo:

PDF

Referências


ABES, BID. Projeto do Setor de Água e Saneamento, Rio de janeiro, RJ, 2016. p. 5.

ABRAÇO GUARAPIRANGA, 2016. Disponível em: https://www.abracoguarapiranga.org.br/single-post/2016/12/11/Saneamento-no-Brasil-e-as-ag%C3%AAncias-regulaoras. Acesso em: 10 mar. 2017.

BELÉM, Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto de Belém (AMAE Belém). Disponível em: http://amae.belem.pa.gov.br/. Acesso em: 20 mar. 2017.

BELÉM, Lei Municipal nº 8.630 de 07 de fevereiro de 2008. Transforma o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (SAAEB), criado pela Lei Municipal nº 6.695, de 17 de junho de 1969, em Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto de Belém (AMAE/BELÉM). Disponível em: http://amae.belem.pa.gov.br/. Acesso em: 20 mar. 2017.

BRASIL, Constituição Federal de 1988, disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em 20 de março de 2017.

BRASIL, 2007. Lei nº 11.445, de 05 de janeiro de 2007, Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências.

BRITTO, A.L.N.P. A Regulação dos serviços de saneamento no Brasil: perspectiva histórica, contexto atual e novas exigências de uma regulação pública. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 9, 2001, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPUR, 2001. p. 1080-93.

COSANPA, 2017. Disponível em: http://www.cosanpa.pa.gov.br/index.php/a-empresa/2013-06-20-08-51-26%3e. Acesso em: 10 jan. 2017.

FARINA, E. M. M. Q.; AZEVEDO, P. F.; PICCHETTI, P. A reestruturação dos setores de infraestrutura e a definição dos marcos regulatórios: princípios gerais, características e problemas. In: Infraestrutura: perspectivas de reorganização – regulação. Rio de Janeiro: IPEA, 1997, p. 43-78.

GALVÃO JÚNIOR, Alceu de Castro. Regulação: indicadores para a prestação de serviços de água e esgoto. 2. ed, 204p. Editores. - Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora Ltda., 2006.

GALVAO JUNIOR, A.C.; PAGANINI, W.S. Aspectos conceituais da regulação dos serviços de água e esgoto no Brasil. São Paulo: Marco, 2009.

HUKKA, J.J.; KATKO, T.S. Refuting the paradigm of water services privatization. NATURAL RESOURCES FÓRUM, 2003. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1477-8947.00049/abstract. Acesso em: 12 abr. 2017.

HUTTON, G.; HALLER, L. Evaluation of the costs and benefits of water and sanitation Improvements at the global level. Genebra, Suíça: Organização Mundial da Saúde, 2004.

JAMES, O. Regulation inside government: public interest justifications and regulatory failures. Public Administration, v. 78, n. 2, p. 327 343, 2000.

JOURAVLEV, A. Drinking water supply and sanitation services on the threshold of the XXI century. Santiago do Chile: Cepal, 2004.

JOURAVLEV, A. Acceso a la información: una tarea pendiente para la regulación latinoamericana. Santiago do Chile: Cepal, 2003.

JOURAVLEV, A. Regulación de la industria de agua potable: regulación de las conductas. v. 2. Santiago do Chile: Cepal, 2001.

OLIVEIRA, Hugo. Perdas Reais e Aparentes frente a Regulação e Fiscalização do Saneamento. Palestra. In: ENCONTRO TÉCNICO DA BAIXADA SANTISTA, 1. 2009. Santos - SP, em 30 de abril de 2009.

PALIARI, Edson. Agências Reguladoras no Brasil. Trabalho de Conclusão de Curso, de especialização, do Programa Nacional de Formação em Administração Pública, Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Administração, Maringá, PR. 2011, 30p.

PENA, D.S.; ABICALIL, M.T. Saneamento: os desafios do setor e a política de saneamento. In: Ipea. Infra-estrutura: perspectivas de reorganização, saneamento. Brasília: Ipea, 1999. p. 107-137.

SEROA DA MOTTA. Efficiency and regulation in the sanitation sector in Brazil. Elsevier, Utililities Policy, v. 14, n. 3, p. 185.-195. 2006.

TAVARES, A. Noronha. O papel da Agência Reguladora. Palestra. In: SEMINÁRIO REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SANEAMENTO BÁSICO. Anais... Desafios e Perspectivas no Município de Belém. Belém - PA, em 16 de março de 2017.

TEIXEIRA, J.C.; PUNGIRUM, M.E.M.C. Análise da associação entre saneamento e saúde nos países da América Latina e do Caribe, empregando dados secundários do banco de dados da Organização Pan-Americana de Saúde – OPAS. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 8, n. 4, p. 365-76, 2005.

TRATA BRASIL, 2016. As agências reguladoras de saneamento no Brasil. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/as-agencias-reguladoras-dehttp://www.tratabrasil.org.br/as-agencias-reguladoras-de-saneamento-no-brasilsaneamento-no-brasil. Acesso em: 10 mar. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN online 2595-9239